Temporada das chuvas preocupa moradores de Marechal Hermes

RIO DE JANEIRO – O início da primavera marca o começo da temporada de chuvas no Sudeste, sendo uma época conhecida pelos transtornos como falta de luz, árvores caídas e ruas alagadas. Uma das regiões mais afetadas do Rio de Janeiro é Marechal Hermes, que apesar de ser um bairro de classe média, é conhecido pela falta de infraestrutura de escoamento de chuvas.

A região da Praça Montese, centro comercial com lanchonetes, restaurantes e lojas, possui diversas árvores, que sem a limpeza urbana devida, se tornam poluentes. Ao caminhar pela região durante as manhãs, pode-se observar que a limpeza é feita pelos próprios comerciantes, com pouquíssima participação da Prefeitura.

Para Solange Alves, 67, moradora do bairro há quase 50 anos, esse tipo de problema só vai ter uma solução se for divina.

É um milagre que nesses últimos anos não tenha chovido tanto, faz tempo que não preciso trocar telha. Não tem bueiro, não tem manutenção, chove e a água vai levando tudo, árvore, carro, bicicleta. Só Deus mesmo”, diz a dona de casa.

Bueiros totalmente entupidos e sem escoamento são realidade em Marechal Hermes. (Foto: Por um Rio melhor/Divulgação)

O problema relatado por Solange é antigo, e pode ser observado por todo bairro. Em certas regiões é possível encontrar bueiros solitários, indicando aqueles outros bueiros que deveriam estar do lado oposto da rua já foram asfaltados ou soterrados.

Apesar da área possuir poucas ladeiras, as existentes se transformam em “toboágua”, e seguem sem nenhum obstáculo pelas ruas do bairro durante a temporada de chuva, só encontrando parada ao chegar em muros e construções. As marcas podem ser observadas em casas e na Base Aérea dos Afonsos, onde são abrigados e testados os novos KC-390, da Embraer.

Marcas da água no muro da Base Aérea dos Afonsos, em Marechal Hermes. (Foto: Reprodução/Goole Street View)

Em muitas lojas, como a padaria de Antônio Souza, as chuvas já foram um grande problema, porém seu comércio foi reformulado em função do que já viveu no passado por lá. A parte interna ganhou alguns níveis e não fica na mesma altura da rua. Apesar disso, ainda conta com bloqueios nas portas e obstáculos para impedir enchentes mais severas. Gastos que poderiam ser aplicados em ampliação comercial e geração de renda.

Em reportagem para a Agência UVA, outro veículo do curso de Jornalismo, o Mestre em Ciências de Engenharia Civil e coordenador do curso de Engenharia Ambiental da UVA, professor Cézar Pires, comentou sobre a falta de manutenção de bueiros na cidade.

A gente cansa de ver os bueiros entupidos por excesso de lixo. A forma tradicional de coleta não está funcionando. Vemos nossas ruas extremamente sujas e trazendo esse problema do entupimento. Ainda há, infelizmente, uma falta de educação da população, em jogar lixo na rua. A gente ainda vê isso, até mesmo vindo de pessoas instruídas, que sabem as consequências e fazem mesmo assim.” diz o professor.

Na mesma entrevista, o professor também falou sobre ações que podem ser adotadas para minimizar os problemas na cidade.

A curto prazo, o que se pode fazer é uma limpeza preventiva urbana tanto no sistema de drenagem, como também nas galerias e nos rios, que em sua maioria estão assoreados. Também tem o sistema de alarme, em comunidades e áreas de risco. A longo prazo, temos as soluções de engenharia, de micro e macrodrenagem. Microdrenagem são os bueiros, galerias. Muitas dessas galerias já estão subdimensionadas, porque a cidade cresceu, então elas deveriam ser redimensionadas para dar vazão às chuvas”, diz o professor.

Vídeo produzido por cinegrafista amador durante enchentes de 2019. (Fonte: Reprodução/YouTube)

Estrutura que impacta na economia
O estudante de economia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), João Henrique Tavares, fala sobre o quanto a falta de estrutura atrapalha certas regiões do ponto de vista econômico.

Você nunca vai ver um shopping center surgir numa área que o governo não consegue garantir o mínimo de tranquilidade. Como que o sujeito vai abrir uma loja, um negócio, se pode perder tudo a qualquer momento? Lá na China, o governo começou a investir em manutenção de vias, estabilidade elétrica e telecomunicações e o resultado foi o desenvolvimento de negócios”, diz o estudante.

A equipe da reportagem não conseguiu entrar em contato com representantes da Prefeitura.

LEIA TAMBÉM: Chuvas no Rio aumentam risco de leptospirose
LEIA TAMBÉM: Enchentes fazem parte da história do Rio de Janeiro


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s